Necessidades reais
Recomende:

Veja: Autoperpetuação, Dor real, Sentimentos, Serviço

São aquelas que, em qualquer dimensão da nossa vida física, emocional, mental, espiritual apresentam-se como indispensáveis à nossa sobrevivência como entidade.

O intelecto não colabora na identificação das necessidades reais. Só através dos sentimentos podemos tomar ciência delas. As necessidades reais são a autoexpressão, crescimento, desenvolvimento, alcance dos potenciais espirituais e tudo o mais que advém disso: prazer, amor, preenchimento, bons relacionamentos e fazer contribuições significativas para a ordem das coisas, no grande plano no qual todos têm uma tarefa. A dor real das necessidades reais é suave e dissolve-se no seu próprio curso.

O que é real em um período da vida de uma entidade pode ser completamente falso e irreal num período posterior. O que é uma necessidade real para uma criança não é o desaparecimento dessa necessidade. Pelo contrário, a negação desta dor projeta-a no tempo e sobre outras pessoas e, assim, torna-se uma falsa necessidade. Quando a criança cresce, esta necessidade passa a ser experienciada interiormente até que se torna uma realidade.

É uma necessidade perceber a necessidade real debaixo da necessidade irreal. A entidade deve, então, proceder a uma busca das obstruções dentro de sua própria alma para removê-las. As necessidades irreais estão sempre, de uma maneira ou de outra, conectadas com a perpetuação de necessidades que uma vez foram reais e que, agora, são falsas.

As necessidades reais nunca exigem que as outras pessoas obedeçam e "nos deem as coisas". Apenas ao pequeno self parece necessário que assim o façam. A necessidade real de amor, companhia e partilha só pode começar a ser preenchida quando a alma está pronta para amar e dar o que nunca deve ser confundido com a necessidade neurótica de ser amado.

Eva Pierrakos. Caminho para o Eu Real. São Paulo: Publicação Interna Pathwork São Paulo, 2012, Capítulo 23.

Palestras: 090, 092q, 169, 191, 192, 238

090: MORALIZAÇÃO - REAÇÕES DESPROPORCIONAIS - NECESSIDADES
092: NECESSIDADES REPRIMIDAS, RENUNCIANDO ÀS NECESSIDADES CEGAS, REAÇÕES PRIMÁRIAS E SECUNDÁRIAS
169: OS PRINCÍPIOS MASCULINO E FEMININO NO PROCESSO CRIATIVO
191: EXPERIÊNCIA INTERIOR E EXTERIOR
192: NECESSIDADES FALSAS E REAIS E SUA RELAÇÃO COM O ESTADO DE CONSCIÊNCIA DO HOMEM
238: O PULSAR DA VIDA EM TODOS OS NÍVEIS DA MANIFESTAÇÃO

ABC

Sentença do Guia “Aquilo que eu já sou, seja o que for, eu quero dedicar à vida. Eu deliberadamente quero que a vida faça uso do melhor daquilo que eu tenho e sou.” P. 138