Escravidão (emocional)
Recomende:

Veja: Compulsão, Masoquismo, Medo, Sadismo

É a consequência de inúmeros fatores da personalidade, das circunstâncias da vida atual e de vidas passadas. Um componente fundamental e sempre presente é o medo.

O medo aparece na experiência da criança que deseja amor, mas não recebe tanto quanto deseja ou recebe de um modo imperfeito e que não a preenche. No momento em que a criança é forçada a ser obediente aos desígnios dos adultos, ela empurra para certos canais subconscientes pensamentos e emoções nos quais deseja amor, mas não pode obtê-lo, ou crê que apenas pode consegui-lo submetendo-se a situações das quais não gosta. Ao mesmo tempo em que obedece a uma forte autoridade, ela não quer perder o amor pelo qual anseia.

Essas correntes, aparentemente contraditórias, do desejo de amar e do medo da perda do amor, não só criam conflito, mas também, em certos temperamentos, uma compulsão à submissão, à escravidão emocional. Essa tendência pode ocorrer em diferentes graus, mas todos eles se sustentam na inverdade para consigo mesmo. Onde essa tendência existe, seja manifesta ou latente, certa dose de masoquismo (ressentimento dirigido para dentro) e sadismo (ressentimento dirigido para fora) também existe.

Palestra: 054q

054: PERGUNTAS E RESPOSTAS

ABC

Sentença do Guia “Normalmente, ao ouvir a palavra “experiência’, o homem pensa na experiência externa. É claro que não é este o significado. O verdadeiro significado é a experiência interna. Vocês sabem muito bem que é possível experimentar tudo que se pode conceber no mundo externo, porém se a experiência interior for impedida, a exterior significará muito pouco.” P. 191